• Post author:

Nem sempre foi acessível falar com os homens sobre sua saúde. A percepção do autocuidado, por muito tempo, foi vista como uma iniciativa feminina e esteve em pauta apenas entre as mulheres. O entendimento sobre o papel do homem na sociedade, de força e onipotência, durante séculos, o levou para um lugar onde a vulnerabilidade não tinha vez. O mundo mudou e o sexo masculino tem ganhado espaço em áreas, até então, por ele pouco habitadas: da sensibilidade, da preocupação com a beleza e o bem-estar, da qualidade de vida vislumbrando saúde.

O Novembro Azul, neste ano, chegou com a intenção de lembrar aos homens que eles são livres para demonstrar suas dores e emoções, e podem, sim, assumir o protagonismo da própria saúde. Isso porque, ainda hoje, muitos deixam sua condição física e mental em segundo plano, ou delegam esta responsabilidade para mães, esposas e companheiras. De acordo com a pesquisa ‘Um Novo Olhar para a Saúde do Homem’, do Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL), apenas 33% dos entrevistados disseram ir ao médico para consulta de rotina uma vez ao ano e 26% afirmaram que só o fazem quando se sentem mal.

A prevenção ao câncer de próstata, foco da campanha Novembro Azul, é um tema que precisa pertencer à rotina masculina. Segundo dados do Ministério da Saúde, 42 homens morrem em decorrência da doença todos os dias no Brasil e, aproximadamente, 3 milhões têm o diagnóstico. Este é o tipo mais frequente entre os homens brasileiros, depois do câncer de pele, para aqueles que têm mais de 65 anos. Dados da rede pública de saúde no País apontam que quase a metade dos homens atendidos nunca fizeram o exame de próstata e estimativas mostram que, em 2020, haverá mais de 68 mil novos casos em território nacional.

O cuidado com a saúde precisa ser dobrado já que o câncer de próstata costuma ser silencioso, não causa dores ou provoca mudanças no corpo em fase inicial. Também, é importante ficar atento aos sintomas mais frequentes, como desconforto abdominal, micção frequente, fluxo urinário fraco ou interrompido, vontade de urinar frequentemente à noite, sangue na urina ou no sêmen e disfunção erétil. O câncer de próstata pode ser hereditário e, por isso, caso haja algum parente próximo, pai ou irmão, com a doença antes dos 60 anos, o risco do diagnóstico positivo aumenta entre 3 e 10 vezes, se comparado à população em geral, segundo o Ministério da Saúde.

A boa notícia é que, com um diagnóstico precoce, as chances de cura ficam acima de 90%, segundo o Instituto de Urologia. Com a visita anual ao urologista, a partir dos 50 anos, ou dos 45 para alguns grupos de risco, é possível fazer dois procedimentos simples e rápidos que podem trazer ainda mais longevidade: os exames de toque e de sangue – para medir o PSA – que combinados conseguem identificar facilmente a possibilidade da doença no organismo.

Cultivar hábitos saudáveis é a melhor forma de se manter imune. Uma alimentação balanceada, aliada a uma ingestão menor de gordura, ajuda a diminuir o risco de câncer. Assim como praticar atividade física ao menos 30 minutos por dia, manter o peso adequado à altura – já que o risco de câncer de próstata é maior em homens com peso corporal elevado -, evitar ingestão de álcool e não fumar são recomendações potentes para a prevenção.

Estar engajado no Novembro Azul é ter uma rotina saudável, ir ao médico com frequência, ter os exames em dia, e mais: saber que a vida é muito breve para deixar de se permitir sentir, cuidar e amar.