• Post author:

O clima frio e seco do inverno, em muitas regiões do Brasil, pode propiciar o surgimento de doenças respiratórias, como resfriados, rinites, sinusites, asma, entre outras. Neste ano, os cuidados com as baixas temperaturas precisam ser intensificados, em virtude da pandemia do novo coronavírus. A proteção contra as doenças comuns neste período do ano evita as idas a hospitais e diminui a possibilidade de contágio para a Covid-19. Por isso, manter a saúde forte e proteger o corpo de microrganismos que afetam o sistema imunológico é fundamental.

Tudo começa com a consciência sobre a importância do equilíbrio entre corpo e mente, ferramentas protagonistas para uma vida plena e saudável. Depois, é preciso ficar atento à alimentação – a ingestão regular de bons nutrientes auxilia o funcionamento das células de proteção. E por último, mas não menos importante, preservar as noites de sono, praticar atividade física e evitar, na medida do possível, situações de estresse.

Na hora de escolher a refeição, alguns alimentos são grandes aliados porque potencializam a ingestão de vitaminas e nutrientes, e reforçam as defesas do organismo. A Vitamina A, por exemplo, pode ser encontrada em alimentos vermelhos e alaranjados; a Vitamina C está presente em morangos, goiabas e laranjas; a Vitamina E, em sementes e castanhas; o Selênio, na castanha do pará e nas farinhas integrais; e o Zinco, nas carnes vermelhas e brancas. Sem esquecer da ingestão constante de água, pois “a desidratação pode comprometer uma resposta imunológica, principalmente reduzindo as células que combatem as infecções”, explica a nutricionista Vera Salvo, membro do Conselho Regional de Nutricionistas de São Paulo.

Já a atividade física propicia o aumento da frequência cardíaca e faz com que as células imunes circulem mais pelo corpo e consigam identificar e destruir de forma mais eficiente organismos causadores de doenças. O efeito da atividade física não dura a longo prazo, precisa estar em constante estímulo, mesmo que seja com pequenas doses diárias de dedicação. A prática de apenas 10 minutos de exercícios por dia é suficiente para que as defesas do organismo sejam fortalecidas e desencadeiem uma resposta imune.

O ser humano é uma grande engrenagem. O corpo pode estar em dia, mas se a mente não estiver alinhada pode pôr tudo a perder. “Uma pessoa submetida a dez minutos de estresse agudo pode ficar até seis horas vulnerável. Em um momento de estresse, se eleva muito a adrenalina no sangue e, por um processo nervoso, as células da imunidade ficam bloqueadas de funcionar. Por esse período, se aparecer um vírus, a pessoa adoece”, explica o médico alergista e imunologista, Gilmar Domingues Cardoso. Então, controlar o estresse é uma boa maneira de evitar a queda da imunidade e é essencial para se obter uma saúde integrada.